quarta-feira, 26 de novembro de 2014

águas_ bem precioso

(...)
"Água 
que faz inocente riacho 
e deságua na corrente do ribeirão.
 Águas escuras dos rios
 que levam a fertilidade ao sertão
 Águas
 que banham aldeias
 e matam a sede da população
 Águas que caem das pedras 
no véu das cascatas,
 ronco de trovão.
 E depois 
dormem tranquilas no leito dos lagos ... "

Guilherme Arantes

outro blog, simplesmentelis

terça-feira, 25 de novembro de 2014

haveremos de saber

...
 "Ser velho 
é talvez ter salas iluminadas
Dentro da cabeça e, lá dentro, 
gente a representar.
Gente que se conhece, mas cujo nome nos escapa;
Cada vulto responde a uma perda profunda, assomando
A uma porta conhecida, pousando uma vela, sorrindo
Das escadas, tirando um livro da estante; ou por vezes
Só as próprias salas, cadeiras e uma lareira acesa,
O vento no arbusto para lá da janela, ou a débil
Simpatia do sol na parede, 
num solitário
Fim de tarde de Verão, depois da chuva. É onde eles vivem:
Não aqui e agora, mas onde tudo aconteceu em tempos.
               Por isso é que eles têm

  Um ar de ausência perplexa, tentando estar lá
E contudo estando aqui..."

Philip Larkin


outro blog, simplesmentelis

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

casa no campo

"Eu quero uma casa no campo
Onde eu possa compor muitos rock's rurais
E tenha somente a certeza
Dos amigos do peito e nada mais
Eu quero uma casa no campo
Onde eu possa ficar do tamanho da paz
E tenha somente a certeza
Dos limites do corpo e nada mais
Eu quero carneiros e cabras
Pastando solenes no meu jardim
Eu quero o silêncio das línguas cansadas
Eu quero a esperança de óculos
E meu filho de cuca legal
Eu quero plantar e colher com a mão
A pimenta e o sal
Eu quero uma casa no campo
Do tamanho ideal, pau-a-pique e sapé
Onde eu possa plantar meus amigos
Meus discos meus livros e nada mais."

Elis Regina  

simplesmentelis, outro blog

domingo, 23 de novembro de 2014

aos domingos


 
"Sede  unânimes entre vós ; não ambicioneis 
coisas altas,
mas acomodai-vos às humildes, 
não sejais sábios em vós mesmos ;
A ninguém torneis mal por mal ;
procurais as coisas honestas, perante todos os homens.
Portanto,
dai a cada um o que deveis: a quem tributo tributo;
a quem imposto, imposto ;
a quem temor, temor ; a quem honra , honra. "

Romanos 12.16.17/13.7
simplesmentelis, outro blog

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

oração

...
"A noite é muito escura, 
O vento é muito mais frio.
 O mundo que eu vejo é muito maior 
 Agora que estou sozinha. ... 
As árvores são muito altas 
 E eu me sinto muito menor.   

Você pode me ouvir? " 

 Barbra Streisand

outro blog, simplesmentelis

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

crepúsculo


"O crepúsculo é este sossego do céu
com suas nuvens paralelas
e a última cor penetrando nas árvores 
até os pássaros. 
...
 Crepúsculo que não alcançastes..."

Cecília Meireles

simplesmentelisoutro blog

terça-feira, 18 de novembro de 2014

colheita

"A liberdade plana
Nas asas do vento,
Soprando em mim
O entardecer alaranjado,
Guardando as flores e frutos do meu desejo.

Fico
Saboreando a colheita da claridade... "

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

vida vento vela

"Onde me esqueci de ti,
você virou pensamento."
Paul Celan


voz Elis Regina

 "As velas do Mucuripe
Vão sair para pescar
Vou levar as minhas mágoas
Pra águas fundas do mar
Hoje à noite namorar
Sem ter medo da saudade
Sem vontade de casar
Calça nova de riscado
Paletó de linho branco
Que até o mês passado
Lá no campo 'inda era flor
Sob o meu chapéu quebrado
O sorriso ingênuo e franco
De um rapaz novo encantado
Com vinte anos de amor
Aquela estrela é dele
Vida, vento, vela leva-me daqui "

(alguma nostalgia me faz republicar sempre essa música) ;))
simplesmentelis, outro blog

sábado, 15 de novembro de 2014

a nosso modo...


"A vida na hora.Cena sem ensaio.
Corpo sem medida
Cabeça sem reflexão.
Não sei que papel desempenho.
Só sei que é meu,
 impermutável."
(...)

Wislawa Szymborska

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

depois do sol



"Os pescadores regressaram
 com os seus círculos amarelos 
e cercaram o mar. 
Depois,
puxaram as redes e  – com elas
 – o mar para dentro dos
 seus barcos.
 E o mar, na sua
 tranquilidade líquida,
 deixou-se levar... " 

Francisco Duarte Azevedo
simplesmentelis, outro blog